terça-feira, novembro 21, 2006

país de pândegos

É uma coisa muito portuguesa isso de dizer mal do que é nosso e deitar um olho gordo e guloso para o lado. Também com os políticos, o que é manifestamente injusto.

Atentemos no humor nacional, por exemplo. Em ironia fina, descaramento, subtileza e arrojo não ficamos atrás de ninguém.

Primeiro, há um ministro autor da melhor piada do ano, quiçá da década, aquela de que os bancos estavam a agir de boa-fé. Ainda hoje tenho que fazer um esforço para não desatar à gargalhada! Depois, um ex-primeiro-ministro, facto que por si só anedótico, que escreve(?!!) um livro e resolve chamar-lhe "Percepções e Realidade". Há ousadia bastante em saber rir de si mesmo, assumindo publicamente aquele problema. E, por fim, o incontornável Rui Rio, a gozar descaradamente connosco. Again! Desta vez a pilhéria está estampada pela cidade em outdoors e mupis: uma menina de olhos fechados exibe um ar enlevado, acompanhada pela frase "Sinta a animação da cidade". Cortesia da C. M. do Porto!

Aproveitando a deixa publicitária, como diria o outro, "parecendo que não, facilita". Nos tempos que correm, para sentir algum tipo de animação no Porto, só mesmo fechando os olhos e imaginando. Com muita força!

1 Comments:

Anonymous Diego said...

Suponho que seja um sentimento comum para quem vive à margem da "Europa", você em Portugal, eu no Brasil.

novembro 22, 2006 1:35 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home