quinta-feira, fevereiro 01, 2007

estranheza

"Que me acontecem sempre coisas muito estranhas era o que há dois anos num autocarro romano me estava a dizer Mercedes Monmany quando de repente um velho japonês se pôs a ler, em alemão e em voz alta, um guia dos restaurantes de Marraqueche."

Enrique Vila-Matas, em Da Cidade Nervosa.

2 Comments:

Anonymous Enrique Vila-Matas said...

Ya no me acordaba de este episodio romano. En muy pocas líneas aparece Italia, Alemania, Japón, Marruecos... Me ha hecho gracia recordarlo.
Siguen pasándome cosas extrañas. Claro que a tí también ahora te parecerá raro que te haya escrito. No sé, no he podido evitarlo.

Enrique Vila-Matas

fevereiro 02, 2007 7:14 da tarde  
Blogger Luís Filipe Cristóvão said...

ontem, no autocarro, estava sentado atrás do Enrique Vila-Matas e dizia baixinho para a Inês Leitão "faz-me feliz poder estar aqui tão perto de uma pessoa que me fez estremecer o mundo e não lhe ser capaz de lhe dizer nada. Tenho-o aqui tão perto de mim e ainda não sei se ele existe". A Inês incentivou-me: "Mesmo que não lhe digas nada, porque não lhe tocas?". Ao que respondi: "Tenho a certeza que se esfumaria se lhe tocasse"

fevereiro 10, 2007 12:26 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home