segunda-feira, maio 08, 2006

mal de montano.02

Há uns anos, segui a sugestão apaixonada do escritor Mário Cláudio e li "Quarteto de Alexandria". "Justine", continua a ser, até hoje, uma das minhas maiores experiências literárias. E quem lê Lawrence Durrell não pode deixar de ficar fascinado pelo "velho poeta da cidade", que atravessa a obra, impregna a cidade. Fui ler Cavafis, claro.

Há pouco tempo alguém me apresentou a Lluis Llach, e rendi-me imediatamente a "A la taverna del mar". De volta a Cavafis, um círculo completo. E parto já para outros.

Tinha na estante "O Mal de Montano", de Enrique Vila-Matas. Já por várias vezes estive para lê-lo e sempre outra coisa se entrepôs. Precisei de um congresso sobre Literatura de Viagens, algumas alusões do J. e a insistência do R. para chegar a ele no momento certo. Para nele descobrir o mal de que sofro e a forma de nomeá-lo.

Já achei que, para mim, "demasiado cedo foi tarde de mais". Agora sei que faço com que tudo aconteça no momento preciso. Mesmo que seja para constatar que é o tempo errado.